segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Sindicato dos EUA diz que brasileiros dão lição





http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gifFolha de S. Paulo - 29/10/2012


Sindicatos dos EUA diz que brasileiros dão lição

http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gif
http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gif
RICARDO RIBEIRO
http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gif

http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gif

Os sindicatos norte-americanos têm muito o que aprender com os brasileiros, que conseguem muito mais adesões e resultados.

A afirmação é de Bob King, presidente da UAW (United Auto Workers), que reúne sindicatos de trabalhadores de fábricas de veículos dos Estados Unidos.

King e dirigentes da entidade estiveram no Salão do Automóvel de São Paulo, que acontece na capital paulista até o próximo dia 4. Eles se reuniram com entidades de representação brasileiras, como a CUT.

O UAW é formado por uma rede de mais 750 sindicatos locais que representam mais de 390 mil membros ativos e mais de 600 mil associados inativos nos Estados Unidos, no Canadá e no Porto Rico.

Leia trechos de entrevista de King à Folha, concedida antes de retornar para Detroit, onde participa da campanha do democrata Barack Obama, que disputa a reeleição.

SINDICALISMO NOS EUA

Nos EUA, as corporações e seus aliados políticos estão trabalhando para minar e destruir os sindicatos há mais de 30 anos. A taxa de sindicalização era de 35% a 40% na década de 1950. Hoje, não passa de 11% e de 7% na área privada.

Por causa de leis trabalhistas fracas, as campanhas salariais das corporações são de medo e intimidação para impedir que seus empregados realizem a formação de sindicatos e de negociação coletiva.

APRENDENDO COM O BRASIL

Admiro o trabalho dos sindicatos no Brasil. Trabalhando com os movimentos populares e por meio do sistema político, eles têm ajudado a fazer do Brasil uma das economias que mais crescem no mundo e a criar uma classe média crescente. Nosso sindicato já aprendeu muito com centrais sindicais brasileiras.

Já começamos a construção de acordos globais entre empresas e os sindicatos em todo o mundo, em grande parte graças à liderança de sindicatos brasileiros.

http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gif

http://www.fazenda.gov.br/resenhaeletronica/imagens/vazio.gif